A Razão pela qual o consumo de cannabis por alguns jovens nigerianos é visto como uma parte normal das suas vidas

Fonte: Shutterstock

A cannabis é ilegal na Nigéria. A sua produção, distribuição e consumo são criminalizados, segundo as leis locais. Cultivado, na sua maioria, no sul da Nigéria, o narcótico é económico e a sua compra é acessível através da venda de drogas na rua. Os consumidores de cannabis são, do mesmo modo, vistos como marginais, e são sujeitos a detenções e penas de prisão.

Apesar do estigma do perigo colocado pela lei, a taxa de consumo de cannabis na Nigéria encontra-se num crescimento rápido. Estudos revelam que, a seguir ao álcool, a cannabis é a segunda substância psicoativa mais consumida na Nigéria – principalmente por indivíduos na faixa etária dos 25-39 anos. 

Nas minhas investigações recentes, nas quais baseei duas publicações, explorei o acesso a drogas recreativas e os fatores que encorajam e motivam os jovens adultos de uma cidade do Este da Nigéria a consumir cannabis. O meu estudo examinou, do mesmo modo, a normalização da cannabis entre consumidores jovens, assim como as suas redes sociais. Registei como os participantes relacionam a cannabis com as suas vidas académica, social, recreativa e desportiva.

É importante entender a razão que leva estes jovens a consumir drogas, assim como se os enquadramentos legal e legislativo são eficazes em reduzir quaisquer danos. As minhas conclusões demonstram que a cannabis está amplamente disponível na cidade onde conduzi as minhas entrevistas, sendo facilmente acessível. 

 

A cannabis tem vários usos

 

Para o meu estudo, selecionei vinte e três jovens do sexo masculino, estudantes universitários ou licenciados, consumidores de cannabis. Entrevistei estes jovens de modo a averiguar os seus hábitos e entender o porquê de consumirem o narcótico. 

Ainda que os participantes tenham consciência da ilegalidade do narcótico, o acesso a este é fácil. Tal deve-se ao facto de várias pessoas cultivarem cannabis no seu domicílio. As redes de consumidores estão a expandir rapidamente, assim como se verifica uma proliferação de traficantes de rua, proliferação esta auxiliada por policias corruptos. 

Os meus participantes afirmaram que jovens oferecem cannabis aos seus convidados como um gesto de hospitalidade. A cannabis é consumida em contextos sociais, como em festas e em bares, onde se cimentam relações e se despoletam novas amizades. Em contextos sociais, fumar cannabis também pode possibilitar a construção de confiança entre consumidores. Rejeitar uma oferta de cannabis é visto como um ato negativo, principalmente entre jovens do sexo masculino.  

Participantes também consumem cannabis com o propósito de melhorar o seu desempenho académico. Esta motivação reflete características sociais da sociedade nigeriana, como a taxa alta de desemprego jovem e a necessidade de defesa do ego masculino. 

A cultura nigeriana de alta realização associada à pressão para satisfazer os pais e potenciais empregadores motivam os estudantes universitários a consumir cannabis no sentido de aumentar a sua confiança e desempenho nas frequências. Alguns dos participantes admitiram fumar grandes quantidades de cannabis como um propulsor para a sua confiança e desempenho- Um dos participantes disse: 

“Como disse, no dia em que defendi (o meu projeto), ‘I cush die’ (estava altamente drogado), e os meus olhos estavam ‘claramente vermelhos’… Entrei no auditório, questionaram-me e eu respondi às perguntas colocadas. Quando me colocavam uma questão que não sabia, apenas repetia a questão de volta. Quando começavam a ficar frustrados quando fazia eu questões, fazia piadas. É a confiança que vai permitir que te distingas”. 

Outro consumidor afirmou que a cannabis melhorava o seu desemprenho nas provas escritas, ao auxiliar na sua atenção e na capacidade de memorização:

“Quando fumei depois de terminar a minha leitura para um exame e antes de entrar no auditório, escrevi como nunca havia escrito antes. Ou seja, preencho o formulário, especialmente em cadeiras (módulos) teóricas – mas não naqueles matemáticos. Nesse dia, fumei erva para escrever para uma cadeira chamada ‘Escrita de Relatórios’. Foi-me pedido para explicar dois métodos de referência de escrita. Escrevi imenso, pois quanto mais escrevia, mais ideias tinhas. Mas acho que só funciona em exames para os quais realmente tenhas estudado”. 

 

O que deveria ser feito

 

As presentes políticas de drogas assim como outros enquadramentos legais na Nigéria criminalizam o consumo de cannabis. Tal é um obstáculo para a redução de danos, já que os consumidores de cannabis que queiram parar de consumir o narcótico ou procurar tratamento, dizem ter medo de serem detidos ou encarcerados.

Pais e empregadores nigerianos necessitam de reconsiderar a prática cultural que coloca o enfase supremo no sucesso académico. Estudantes destituídos de ajuda parental e académica adequadas são levados a consumir cannabis de modo a prosperar na cultura de alta realização que impera na Nigéria. 

Há uma necessidade urgente de disponibilizar informação baseada em provas sobre dependência e outros danos associados ao consumo de drogas, aos jovens nigerianos. Tal iria diminuir a experimentação com drogas e a crescente cultura de intoxicação. Os jovens devem ser encorajados a direcionar as suas energias para demandas menos perigosas, como o desporto. 

 

Este artigo é uma republicação de um artigo publicado no site The Coversation segundo uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, aqui.

Emeka Dumbili, Professor, Nnamdi Azikiwe University