Especialistas em Drogas do Canadá Querem Regulamentar o Fornecimento de Heroína para Cortar Overdoses

Produção Farmacêutica de Heroína  (Fonte: Wikimedia)

Um influente grupo de especialistas em drogas do oeste do Canadá propôs permitir que as pessoas tenham acesso ao suprimento de heroína legalmente regulamentada, em uma tentativa de reduzir o número de overdoses e lutar contra o crime organizado.

Em um novo relatório, a British Columbia Centre on Substance Use (BCCSU) propôs a criação de clubes exclusivos para membros onde os pacientes podem legalmente adquirir a heroína produzida sob o ponto de vista farmacêutico. Essa abordagem reduziria a probabilidade de alguém consumir inconscientemente heroína contendo fentanil – um poderoso opiáceo que tem sido relacionado ao aumento dos números de overdose – e poderia simultaneamente minar os grupos do crime organizado, desencorajando as pessoas a comprar heroína ilegalmente.

 A BCCSU argumenta que essa medida é necessária com urgência em sua província, devido à crise de saúde pública em curso. Em 2018, ocorreram quase 1.500 casos reportados de overdose na British Columbia – aproximadamente 260 dessas mortes por um milhão de habitantes; mais de três vezes maior do que a média canadense de 81 mortes por overdose por milhão. Desses 1.500, impressionantes 85% envolveram fentanil ilícito. Isso sugere que o acesso a um suprimento regulado de heroína sem fentanil poderia reduzir enormemente as mortes.

O clube serviria como uma “cooperativa de compras dirigida por membros”, ou seja os membros poderiam combinar seus recursos para adquirir heroína em grandes quantidades a um preço menor dos fornecedores. A BCCSU sugere que o clube seja operado por uma organização sem fins lucrativos envolvendo especialistas com uma experiência vivida relevante.

Para evitar desvios para o mercado ilegal, o clube limitaria as quantidades fornecidas para “o que poderia ser esperado pelo uso pessoal individual e de curto prazo”.

Os clubes seriam estabelecidos junto com outros serviços de tratamento e redução de danos, de modo que as pessoas que procurassem ajuda para o uso de drogas pudessem acessá-lo livre e facilmente. Além disso, a abordagem melhoraria os resultados da redução de danos exigindo que os membros concluam a prevenção e o treinamento de overdose com naloxona – um medicamento para reversão de overdose – como parte do processo de solicitação.

A admissão de membros ao clube deve depender de um processo de triagem, os detalhes do relatório:

“Um processo de triagem conduzido por um funcionário que é um prestador de cuidados de saúde pode ajudar a garantir que jovens curiosos e outras populações vulneráveis (por exemplo, inexperientes ou ingênuos) recebam informações equilibradas e precisas sobre o programa e os riscos conhecidos do uso de heroína. incluindo overdose e dependência.”

Se implementada, a abordagem seria cuidadosamente avaliada e modificada, se necessário.

Para a abordagem ser testada, a BCCSU precisará receber o suporte do governo nacional e provincial, bem como de qualquer autoridade local que supervisionasse o esquema – não apenas recursos e suporte, mas também fornecer um caminho legal. Atualmente é ilegal que tais clubes adquiram e distribuam heroína, mas existe um mecanismo de isenção que permitiria a um ministro aprová-lo.

O governo provincial disse que está examinando o relatório, e ainda tem que tomar uma decisão sobre o assunto.

Leia o relatório completo: Heroin Compassion Clubs