Islândia Deverá Introduzir Salas de Consumo de Drogas

Svandís Svavarsdóttir, Ministra da Saúde, apoiou a introdução de salas de consumo de drogas

Svandís Svavarsdóttir, Ministra da Saúde, apoiou a introdução de salas de consumo de drogas (Fonte: Facebook)

Espera-se que as salas de consumo de drogas (DCRs - Drug consumption rooms) sejam introduzidas na Islândia, uma vez que os parlamentares e a Ministra da Saúde apóiam os pedidos de uma emenda à lei nacional sobre drogas.

A Ministra da Saúde Svandís Svavarsdóttir, disse  ao Parlamento em 21 de Março que seu governo gostaria de alterar a legislação existente sobre drogas para que os DCRs possam abrir e operar legalmente no país.

A DCR na Islândia, ela disse, seria um “ambiente legal e protegido onde as pessoas maiores de 18 anos podem consumir [drogas ilegais] sob a supervisão de profissionais da saúde. Onde é tomado cuidado para garantir total higiêne, segurança e controle de infecção.”

As DCRs previnem que overdoses fatais aconteçam, já que profissionais da saúde supervisionam as pessoas usando drogas e, portanto, podem administrar a naloxona – um medicamento que reverte as overdoses de opióides  - quando necessário. Entre os nove países Europeus que operam DCRs, nunca houve uma overdose mortal nas instalações.

 As DCRs fornecem equipamentos estéreis e ambientes mais seguros para o uso de drogas, assim reduzindo a disseminação de doenças transmissiveis por sangue para usuários dos serviços, assim como reduz comportamentos anti-sociais associados ao uso público de drogas – incluindo o descarte de lixo de drogas e intoxicação pública.

A emenda proposta foi defendida pela Red Cross, que alertou que recentemente mais pessoas morrem de overdose do que acidentes de carro na Islândia. Em 2018, houve 17 mortes relacionadas com drogas no país, que tem uma população de apenas 330.000.

“Há um aumento de falta de moradia, o que significa que as pessoas estão se injetando drogas em condições muito ruins”, observou Þórir Guðmundsson, diretor da Red Cross em Reykjavík. “Há uma grande necessidade das [pessoas] poderem entrar em casas aquecidas com profissionais da área da saúde”. 

É amplamente esperado que a emenda passe, tendo obtido apoio unânime entre os parlamentares durante um debate recente no parlamento. A Svavarsdóttir comprometeu-se preventivamente a fornecer 50 milhões de ISK (US $ 407.000) em fundos públicos para apoiar a criação de um DCR, uma vez que a emenda seja aprovada.