Policiais apóiam políticas de redução de danos

Um documento assinado por mais de 4 mil agentes policiais de vários países pedindo pelo apoio das agências policiais ao redor do mundo às políticas de redução de danos foi entregue hoje à Comissão de Prevenção ao Crime e Justiça Criminal da Nações Unidas, reunida em Viena, na Áustria.

A petição, uma iniciativa da LEAHN (sigla em inglês da Rede de Agentes da Lei e prevenção ao HIV), afirma que o primordial papel das forças policiais é proteger a vida e, atualmente, o HIV é uma questão de saúde pública. Sendo assim, policiais e agentes da lei deveriam trabalhar em conjunto com agentes de saúde na formação e implementação de políticas de prevenção e redução de danos.

Durante a apresentação do documento, delegados da comissão da LEAHN estressaram a idéia de que “a polícia tem que ser parte da solução e não do problema, no que diz respeito ao combate à epidemia de HIV, que afeta principalmente usuários de drogas injetáveis e trabalhadores do sexo.”

Programas de distribuição de seringas, clínicas para o uso legal de drogas injetáveis, programas de educação sexual e distribuição de preservativos a trabalhadores do sexo, são alguns exemplos de práticas de redução de danos.

A idéia é a de que policiais ao redor do mundo sejam educados e tenham informações e treinamento suficientes para colaborar com a redução dos danos causados pelas drogas e por comportamentos de risco, desde um ponto de vista de saúde pública e não apenas baseado na atual política de repressão e criminalização.